sábado, 27 de outubro de 2012

Mentiras sinceras me interessam


Minha avó cortou a árvore que minha irmã gostava de subir. Quando minha irmã viu, e tinha apenas 5 anos, gritou: Vovó, sabe o que a mamãe disse que você era?
Minha mãe parou imediatamente o que estava fazendo para saber o que ELA teria dito.
- Que você é ME-TI-DA! 
E assim, disse o que queria protegendo-se da bronca e, ao mesmo tempo, aumentando a credibilidade. 

Acho  que já falei sobre esse tema antes, mas volto ao assunto pois esta semana recebi mais um hoax, quer dizer, mais um foward, um mail de embuste. Dessa vez foi com a Patrícia Pillar. Para quem não sabe, Patrícia Pillar é uma bela atriz casada com o político cearense Ciro Gomes. Em 2001 descobriu ter um câncer em uma das mamas. Descoberto o nódulo, identificado como um tumor através de uma ultrassonografia,  foi imediatamente operada. Como se tratava de um tumor maligno, submeteu-se a tratamento, ficou careca e linda, e divulgou a todos o seu processo para servir de exemplo ‘as mulheres. Ponto final.
Pois bem, no ano de 2002, sei lá como, um PROFESSOR divulgou  no seu blog um texto mentiroso na internet sob o nome da bela Patrícia. Neste falso texto, ela reclamaria da pouca atenção da mídia para seu problema e diz que seu câncer é um tipo raro, que começa com uma espinha coisa e tal.
Isso me deixa pasma com a humanidade. Qual o espírito de porco que inventa um texto desses ? Para quê? para três ou cinco espíritos de porcos tão pequenos quanto ele se vanglorie em seus míseros computadores dizendo rá rá peguei um bobo na casca do ovo? 
Esse texto foi de 2002, mas ele volta ao meu computador em 2008, certamente enviado por alguma alma caridosa que pretende, ao re-enviar mails recebidos, ajudar a outras pessoas. E esta é a minha segunda dúvida: porque tanta gente não checa as informações recebidas quando elas são tão importantes assim?
Meu último post neste espaço fala de Lizzie no céu de diamantes. Uma história linda, verdadeira, mágica! No entanto, alguns duvidaram. Foram checar. Será que a natureza humana é levada a duvidar só de coisas boas? Desgraça a gente nem pestaneja, acredita e passa adiante senão vira elefante?
Não, não pode ser isso, pois a primeira vez em que vi um hoax desses, e faz tempo, era para ganhar um celular erikson de graça. Lembram disso? Eu li a coisa e fiquei lá, de boca aberta. Quem me enviou era uma mulher da minha idade, nível superior, viajada. Conhecia desde pequeninha, sei que a mãe dela , como a minha, ensinou a nunca aceitar balas de estranhos. Então, como é que acreditava em papai noel desse jeito?
Não entendo. Mas ainda há outro tipo de hoax  que  me assusta. Pobre do Mário Quintana! Pobre do Borges! pobre do Drummond! Pobre do Veríssimo!e bem- feito para o Jabor ! )) o que colocam na boca  ou nos dedos desses artistas é uma loucura!
Um dia, recebi de uma amiga poeta, um texto assinado simplesmente por Clarisse Lispector, e a minha amiga enaltecia a qualidade do texto dizendo que a poetiza era maravilhosa. Bem, o texto era um POEMA. Se  é que Clarisse escreveu algum poema em algum dia na sua vida, deve ter sido lá em Recife, quando ela tinha 10 anos de idade e rasgado pra ninguém ver. Clarisse não escrevia poemas, e, caso o fizesse, dificilmente seria um acróstico. Essa minha amiga era uma poetiza das boas, formadas em Comunicação, viajada, sempre indo cobrir festivais de cinema pela Europa afora. Quer dizer, não podia clamar inocência.
Mas isso , por incrível que pareça, ainda não é o pior: uma professora de português de um dos filhos passa como dever de casa  um texto “assinado” por nada menos nada mais do que a roqueira Rita Lee falando sobre suainfância no ..pasmem NORDESTE !!!!!!!!!!!!!
Bem, não prego nem exijo que todos saibam tudo sobre tudo, mas, firmemente aconselho que, ao gostarem de um texto,  e acharem que vale a pena passar adiante, por ser útil ou belo, chequem a autenticidade. E nem mesmo é para não fazer papel de bobo, que disso a gente raramente escapa, é para evitar o reforço de mentiras.
De minha parte, caso eu  divulgue informações falsas, peço, penhoradamente, que me corrijam. E quanto a vocês? que tipo de atitude esperam? Que se diga.. hum. esse texto não é do Drummond, é do Arthur da Távola..  ou não? Cale e fique quieta?
Me deixem saber como agir. Não quero levar bronca! :-)
Como disse o Cazuza, só mentiras sinceras me interessam.


Nenhum comentário:

Postar um comentário