sábado, 18 de agosto de 2012

Agora é lei!

Meninos, eu vi!
Guardem essa data,27 de abril de 2012: o dia em que nosso País mudou pra melhor!
As cotas raciais passaram, agora é lei!

E isso é ótimo.

Pois é, cada vez que leio no Facebook alguém vociferando contra
a política de cotas raciais nas universidades, meu sangue sobe.

E não consigo deixar de pensar: " Céus! Como eu me enganei com fulana!

Ou ela é muito má (pois defende privilégios de classe e quer que 
os menos favorecidos se danem) ou é muito burra (pois acredita
em questão de mérito pra quem nunca teve condições) ou é muito ignorante,pois
não conhece ou reconhece a mudança positiva que houve nos países que
adotam as cotas e desconhecem a história do negro , e do negro no Brasil.

Passada a raiva (um pouco) repenso: mas peralá,essa pessoa é gente 

boa, é do bem, demonstra ser inteligente em vários aspectos, foi boa
aluna, estudou história, viajou e lê jornal, então certamente há algo
que ela não percebeu. E, além do mais,Angela, lembre-se que você mesma
mudou . Você já proferiu muita besteira e já defendeu muita coisa errada.
Seja humilde!

Por isso escrevo hoje aqui. Pois sinto como meu dever esclarecer em linguagem

simples porque o sistema racial de cotas é bárbaro tanto para as etnias
desprivilegiadas quanto para o país.

Antes de mais nada lembro que o sistema de cotas é algo defendido

tanto pela esquerda (pelos 5 que restaram) quanto pela direita.
A esquerda acredita que todos devem começar com as mesmas condições. 
A direita quer que os não brancos sejam bem-sucedidos para serem consumidores. 
Então, não é papo de intelectual comunista, como já li algum desinformado
falando por aí. Se fosse, os EUA não teriam abraçado a causa.

Visto isso, parto para contrargumentar a frase mais repetida daqueles

que são contra a cota: Ora, que corram atrás! eu mesma vendi revistinha
, ficava noite acordada, trabalhava durante o dia, me esforcei e estou aqui!
Essa gente quer tudo facinho, facinho."

Essa pessoa que argumenta assim esquece de algumas coisas importantes.

Primeiro acredita no mérito. Acredita que "querer é poder", quando 
se ela mesma parasse para pensar em quantas coisas ela quer , e por mais
que queira não pode, por mais que se esforce não consegue (emagrecer, rejuvenescer, ter um caso com o George Clooney,se curar,se hospedar  no copacabana pálace durante um mês, fazer gol na final da copa no maracanã, ganhar mais,ser promovida,ou até mesmo jantar
em certos restaurantes em N.Y. )ou porque não tem padrinho, ou porque o sistema é
injusto, ou porque alguém está fazendo macumba..., ela verificaria que querer não
é poder. Por exemplo: mesmo que eu escreva o melhor livro do mundo  e vá 
para o Rio de Janeiro e bata de porta em porta em editoras , isso não garante que
ele vá ser publicado, e se publicado vendido ou lido. Há muitos outros fatores, desde simpatias até modismos. Desde temas repetidos até vontade editorial. Ih, montes.
E você sabe disso! Pois você mesma , certamente, já pensou " nossa, existem tantas
músicas bonitas , tantos compositores bons e a gente só ouve porcaria na tv.." Então
você sabe que para algo acontecer é preciso sorte também, não basta esforço. Se fosse
apenas uma questão de esforço, o homem mais rico do mundo seria o meu caseiro, trabalhador, honestíssimo e inteligentérrimo. O tipo da pessoa que se tivesse tido oportunidade (como hoje sua filha tem graças a todos esses esforços governamentais) seria o dono do mundo.

Em segundo lugar esquece que o que é possível para um não é para 

outro. Se fosse assim todo mundo seria magro mas há quem realmente
não consiga emagrecer, não consiga fazer o esforço necessário. Não é
todo mundo que consegue se concentrar nos estudos feliz da vida, sem se revoltar. 

Em terceiro lugar, e mais importante,para o negro tudo é mais difícil

É aí que a coisa pega. Não se trata de uma questão social, de uma 
questão de pobre e rico. Um economista negro tem mais dificuldade 
de entrar no mercado de trabalho do que um economista branco nesse país. Mesmo que ele
tenha sido melhor aluno na faculdade do que o branco.

Agora se imagine na pele de um negro..(se pra você for difícil,assista

ao filme A Cor da Fúria e se intere do projeto Blue Eyes de Jane Elliot veja o link aqui se você fala inglês http://www.youtube.com/watch?v=XAv8JA_9uKI) 
Desde pequeno, na escola, seu apelido foi Pelé, embora não jogasse futebol.
Seu nome? Crioulo, negão,neguinho. Na melhor das hipóteses. Neguinha,
crioulinha, sarará, pretinha. 
A professora, mesmo sendo uma professora negra, no colégio, na hora de
chamar alguém pro quadro , naturalmente escolhia a criança branca. 
Na hora de buscar um copo d´água naturalmente uma criança negra.

Não acredita?

Hoje, ao ver TV, repare nos comerciais. Sim,nos comerciais, pois a
escolha dos modelos em comerciais não é uma questão de mérito e sim
de estereótipo. Bancos: banco do brasil,caixa e santander usam negros 
e brancos na mesma função.Já o comercial do Bradesco Prime, céus, dois brancos
de gravata no sofá, um negro no fundo, em pé, de camisa de malha 
escura e DE COSTAS. O do colgate é um vexame. Nenhum dentista negro e
quando surge uma jovem negra no meio de várias ela passa numa 
rapidez vergonhosa.

Ah, isso você sabe,mas você acha que cabe "aos negros " correrem atrás.

Você mesmo é negra! Você passou no vestibular sem cota! (muitas pessoas
que são contra a cota racial são negras, e dizem querer provar como 
são tão boas quanto os brancos em iguais condições de entrada.) Lembre-se que
você, então, teve o privilégio de gostar de estudar, como eu. E as leis são para o país. 


Quando queremos cotas, não estamos fazendo caridade nem acentuando 

racismo. Estamos sim nos aproximando de um estado de JUSTIçA social! 
Como essa frase diz. Se as diferenças nos rebaixam precisamos de igualdade. E nós, cidadãos , precisamos fazer alguma coisa! É para no nosso bem. 
Sim, somos diferentes.Um é branco o outro é negro. Quando queremos ofender um
branco nunca usamos como ofensa uma comparação a um animal. Urso polar?Seu branco
azedo? Seu baú de neve? Agora, para ofender um negro a imaginação 
não tem limites! E sempre em relação a sua cor da pele. 

 Desde pequeno entendem que quanto mais claro, melhor. Vide Michael 

Jackson, Angela Maria e Bionce e os cabelos louros e lisos que 
estão nas cabeças das atrizes negras. Narizes sendo afinados, cabelos sendo alisados, pele clareada para sofrer menos. Não querem ser como os brancos na aparência! querm o mesmo tratamento!!

Na música...

" O seu cabelo não nega, mulata, porque és mulata na cor. mas como a cor NÃO PEGA,
mulata , mulata eu quero seu amor"
A cor é tratada como doença!!!

" Ai meu Deus que bom seria se voltasse a escravidão, eu pegava

essa mulata e prendia no meu coração e depois a pretoria que 
resolvia a questão"

AAA!


Tente um negro chegar com um ramo de flores na mão num prédio classe média

e veja se ele não é levado pelo porteiro (em geral branco) para
a porta dos fundos.  Quantos Padres negros existem? Quantos médicos?
Como você quer que com essa condição psicológica , desde criancinha
que os negros tenham acesso ao mesmo mundo que os brancos tiveram?

As cotas não são só boas para os negros, são boas para o BRASIL. 

Nós, maioria branca,  precisamos que os negros estejam presentes em todas as profissões
e não só como jogadores de futebol ou cantores! Médicos, advogados,
porteiros, eletricistas, professores, cientistas, todas as profissões
nas mesmas proporpoções da população. 47,73% da população se declacrou 
branca. NO entanto, nas universidades, mesmo com cotas, no ano passado, 
havia MENOS de 9% de negros e pardos!!! Isso é vergonhoso!

Então, você sabe que isso não está certo. 


Tá, mesmo assim continua sendo contra as cotas. 

Então, me escreva dando uma outra ideia! E leia a frase que ilustra 
esse argumento, se não entender, leia novamente. Ela explica tudo!

Mas vai chegar um dia em que as cotas não serão mais necessárias, pois todos os alunos que terminaram o ensino médio

TODOS terão uma vaga garantida em uma unversidade pública e gratuita!
Não é sonho, na Argentina é assim!

Aí, nós seremos o país mais bacana do mundo!!

Um comentário: