quinta-feira, 9 de agosto de 2012

A fila anda


A gente planeja uma coisa aí, de repente, um outro assunto atropela a vontade! Ainda não chegou a vez dos textos antigos. 

Ontem estive em São Lourenço e tudo mudou.
São Lourenço era o lugar aonde eu ia na infância, no verão, ficar um pouco com minha avó, que fugia dos carnavais e calor. Era o lugar dos velhos e das crianças. As crianças enchiam seus copinhos retráteis  com seus nomes gravados nas fontes das águas saborosas, riam do horrível gás fedorento,  andavam de patins, davam miolo de pão aos patos enquanto os velhinhos descansavam à sombra.
Se eu fosse imaginar uma trilha sonora para esses velhos pensaria em valsas e serestas.
As amigas de minha avó jogando cartas e comendo sequilhos com seus cabelos brancos cacheados e seus vestidos de bolinhas brancas em fundo escuro, um fio de colar de pérola e uma flor na gola.

Mas o tempo passa.
Imagino agora as velhinhas amigas da minha mãe. Todas com tailleurs coloridos, maquiadas, cabelos pintados e armados, bijuterias douradas , ainda jogando cartas, um prato de pão de queijo quentinho comprado pronto e, ao fundo, as canções dos musicais da Broadway.

Ontem, chego ao Parque das Águas em São Lourenço. A música que toca é Your Song , de Elton Jones , seguida de Live or Let Die , de Paul Maccartney.  Vamos almoçar. As sobremesas mineiras (doce de leite, abóbora, figo) em opção diet enfeitam a mesa. As velhinhas entram: cabelos punk, pintados de vermelho vivo e tatuagens no pescoço. 

Olho pra mim com meus cabelos brancos longos e despenteados, minha blusa de estamparia indiana. Meu marido com seus óculos escuros e barbas brancas e calças estampadas. E rimos. Somos os velhinhos de São Lourenço! 
Voltamos pensando nisso, de como a morte está perto. Zé Rodrix já se foi. Anteontem Celso Blues Boy e ontem o Magro do MPB4. Nossa trilha sonora em volume mais baixo.  

Olhamos um para o outro, nos demos as mãos e sorrimos monalisamente.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário